Encontre o que precisa buscando por aqui. Por exemplo: digite o título do filme que quer pesquisar

quarta-feira, 17 de maio de 2017

"Rei Arthur", um filme acima da média, readapta a milenar história do herói bretão


Djimon Hounsou (esquerda) e Charlie Hunnam (direita) em cena do longa

O blockbuster de ocasião, ou seja, o filme mais comentado na mídia agora é “Rei Arthur: a Lenda da Espada”. Fato é que se trata de uma história extremamente antiga, há muitos séculos difundida, e que quase todo o mundo conhece. Ou, no mínimo, sobre a qual já ouviu falar alguma coisa. Livros infantis, revistas em quadrinhos filmes de cinema ou animações, adaptações curtas e mais alongadas, musicais de palco. Enfim todos nós temos alguma ideia do que seja essa aventura e o herói que a interpreta. Portanto, o grande problema do diretor e roteirista Guy Ritchie foi criar uma obra inédita sobre o tema. 
 
O filme é de fato muito elaborado em termos de texto e linguagem audiovisual. Por isso vamos tentar agora uma espécie de aquecimento, de análise prévia sobre o que acabamos de ver sobre esse espetáculo marcado para estrear agora no dia 18. 

É claro que o tema da magia precisava ocupar o primeiro plano do roteiro. Até porque a série de romances sobre ele e Camelot, chamado “As Brunas de Avalon”, é uma produção essencial e que já ocupou o espaço nas livrarias que já foi da saga Harry Potter. Mas não cabia incluir a figura barbuda do Mago Merlin, porque a total maioria dos personagens é do gênero masculino. Quase não há mulheres em cena. Então Guy Ritchie preferiu escalar uma Maga, que é o papel da diáfana espanhola, aqui muito boa no papel, Astrid Berges-Frisbey. 

Cena da espada fincada na pedra: um dos pontos altos do filme

A maioria acredita que a história se passa na Idade Média europeia. OK. mas aquele prolongado período durou cerca de mil anos e teve várias fases. A partir das indicações fornecidas na tela pela arquitetura, armas e vestuário do filme, parece que tudo se passa no centro da idade Média, com armaduras reluzentes, espadas de aço e armas de fogo. Mas as referências históricas da narrativa que, se acham misturadas com lendas e ficção, a colocam no final do século 5º, ainda no fim do Império Romano. Isso, quando os Bretões enfrentavam as tribos de saxões. Mas o diretor prefere contar com os vikings, talvez porque para ele eram mais interessantes do ponto de vista visual. 

O filme, porém, está acima da média das aventuras épicas e a cena da espada na pedra é uma das melhores.  No entanto, os problemas mais graves estão no texto, que chama a Inglaterra de “Nação” – que na verdade só apareceu como tal no meio da Idade Média, após a invasão dos normandos no século XI. No filme é todo exagerado em termos de volume e tamanho. Os exércitos e os castelos são superdimensionados. A cidade de Londinium, que era o primeiro nome de Londres, aparece como uma metrópole majestosa, mas era apenas uma vila romana cercada por muralhas, apenas o povoado mais populoso da Bretanha. 

Charlie Hunnam vive Rei Arthur

O problema do anacronismo, aliás, se manifesta algumas vezes ao longo do filme. Que, aliás conta com no mínimo dois atores que já conhecemos da série “The Game of Thrones”. Por exemplo, o tio de Arthur interpretado, por Jude Law, cumprimenta os seus guerreiros com uma saudação igual à dos nazistas. E a própria formação do herói se parece com a de Jesus Cristo, com a sua peregrinação a sós pelo deserto. Além disso, do ponto de vista físico, o ator inglês Charlie Hunnam se parece com um halterofilista ou guerreiro ninja.

Um comentário:

Fábio Rocha disse...

Charlie Hunnam esta impecável no filme Rei Arthur. Ele sempre surpreende com os seus papeis, pois se mete de cabeça nas suas atuações e contagia profundamente a todos com as suas emoções. Adoro porque sua atuação não é forçada em absoluto. Suas expressões faciais, movimentos, a maneira como chora, ri, ama, tudo parece puramente genuíno. Seguramente o êxito de Rei Arthur filme 2017 deve-se a participação dele no filme, porque tem muitos fãs que como eu se sentem atraídos por cada estréia cinematográfica que tem o seu nome exibição. Além, acho que a sua participação neste filme de ação realmente ajudou ao desenvolvimento da história. Ninguém poderia fazer o papel de Rei Arthur melhor do que ele.