Encontre o que precisa buscando por aqui. Por exemplo: digite o título do filme que quer pesquisar

domingo, 12 de novembro de 2017

Daniela Thomas, diretora consagrada com Linha de Passe, lança seu novo filme: Vazante



Cena de Vazante

Vazante de Daniela Thomas será lançado em São Paulo. Depois de ser indicado para o prêmio de melhor do último Festival de Berlin, finalmente um filme gerado pelo próprio cinema brasileiro chega até nós. E chega carregado de elogios e indicações positivas. Foi filmado da localidade de Serro em Minas Gerais. Mas a diretora do filme Daniela Thomas nasceu no Rio de Janeiro e é filha do cartunista Ziraldo. A partir de 1980 ela foi fazer teatro em Nova York. 

Voltando para o Brasil ela se associou a Walter Salles, para dirigir filmes como Terra Estrangeira (1996) e Linha de passe (2008). Este que deu a Sandra Corvelloni o prêmio de Melhor atriz em Cannes. Para a diretora Daniella Thomas, Vazante também teve como fonte inspiradora outros filmes, como 2001 Uma Odissséia no Espaço, de Stanley Kubrik, e Vidas Secas do paulista Nelson Pereira dos Santos, principalmente “pelo fato de ser um drama que não precisa de palavras para ser narrado”. 
A língua portuguesa ocupa um lugar primordial na estrutura do filme. A primeira frase pronunciada na trilha sonora é gritada em português lusitano, que o ator lisboeta Adriano Carvalho deve ter pensado num idioma falado antigamente. De fato em sua terra, mas lá no século 19. Em seguida, vemos o primeiro conflito individual entre ele e o líder de seus escravos recém-comprados no mercado. Tratava-se aí um confronto linguístico: o patrão não entendia a língua falada pelo africano e que nenhum dos demais da fazenda conseguia decifrar. 

A partir daí, os conflitos se manifestam sem parar: separando todos de, cada um, de todos os demais... Os dois irmãos que disputam uma propriedade... O capataz que odeia, despreza e ao mesmo tempo bajula o patrão com promessas de produzir alimento... O que era loucura, numa economia de mineração e raríssima agricultura

Num texto assinado, a produção de Vazante indica uma posição individual de onde pode-se ver o filme. Existe a presença de um anjo: uma criança de 12 anos obrigada a se casar com um homem de 45. Desesperado pela morte da 1ª mulher e do filho, ele não dá atenção à sua nova esposa, que ainda era uma criança. Um texto que não está no filme, mas é assinado pelo produtor diz o seguinte dos personagens: “cada um foi deslocado da sua casa original e forçado a coexistência com outros.” Em outra palavras, os portugueses estavam presos à escravidão... assim como também os escravos. 

Por exercer o direito de fazer o próprio filme, um filme de cinema, e não aquele que outros em seu lugar talvez preferissem, Daniela Thomas pagou certo preço. Mas deixou outro recado na sinopse promocional do filme: “As correntes inferiores de violência e preconceito que ainda afligem o Brasil de hoje, aceleram a inevitável tragédia que, por sua vez, anuncia as marés das mudanças.”

sábado, 11 de novembro de 2017

Competente direção de Metz Pederson gera bom drama psicológico em Borg vs McEnroe



Shia LeBeouf e Sverrir Gudnason protagonizam o filme

Cinema e esporte. Essa é uma parceria que atraiu multidões de espectadores e, consequentemente, milhões de ingressos. E isso acontece com todas as modalidades em prática no planeta. Mas os motivos que levam a angariar o sucesso dependem de diversas e imprevisíveis razões. Não há receitas prontas e nem causas secretas para explica-las. 

Recentemente, o produtor americano Zeff Zimbalist, que já tinha feito o documentário Favela Rising, sobre a emergência do movimento Afro Regae, e concebido o ambicioso e super bem produzido docudrama Pelé, o Nascimento de uma Lenda, feito em 2016. E pelo, menos no Brasil, não teve um resultado significativo – comparado com o que rendeu na Itália e nos Estados Unidos. 

Esse fato, apesar de Anibal Massaini ter feito o filme Pelé Eterno que obteve um resultado acima do mediano. Aliás, dizem que filmes a respeito de futebol realizados fora (e também dentro deste país) não costumam bom dar certo. Mas isso não acontece com todos os esportes, haja vista os filmes sobre Boxe que, volta e meia, se tornam verdadeiros blockbusters, dependendo do astro que se acha no ringe. 


O filme Borg vs McEnroe tem produção da Finlândia, além da Suécia e da Dinamarca, porque o título é o relato detalhado da histórica batalha entre o tenista dinamarquês Björn Borg e o americano John McEnroe em Wimbledon no anos de 1980. No elenco temos Shia LaBeouf, no papel do americano de 20 anos, e Sverrir Gudnason, como o dinamarquês de 26 e o grande ator Stellan Skarsgård como o treinador do europeu.

Os verdadeiros Borg e McEnroe, em foto dos anos '80

A direção de Janus Metz Pedersen é competente e primorosa. Prova disso é todos nos já sabemos qual dos dois foi o atleta vitorioso naquela partida. Ou seja, num filme sobre Al Capone, por exemplo, não haverá mistério em torno da pergunta sobre a prisão ou a liberdade daquele bandido. Mas por outro lado, o suspense em torno de Björn Borg é muito forte, porque estava em jogo o seu 5º campeonato lá em Wimbledon, naquele ano de 1980. 

Outro detalhe que enriquece o filme é um mérito do roteiro. Porque ficam absolutamente claras as característica psíquicas e mentais que se acham por trás dos resultados. Na verdade Borg vs McEnroe não é exatamente um filme sobre Tenis e sim, um drama psicológico que analisa e explica duas personalidades patológicas em conflito.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Homenageado por Mostra que se inicia dia 13 de Novembro, falemos um pouco do gênero de terror


Cena de "A Rainha dos Condenados"

Durante as suas primeiras décadas de existência, o gênero do horror foi relativamente proscrito pelas plateias mais volumosas e também pelas mais cultas. Até que, por volta de 1950, se aproximou da cena rock e acabou explodindo nos anos 1980 e 1990 como uma nova marca da cultura pop. E agora, até 13/11, será tema de uma retrospectiva que seleciona 25 dos títulos mais importante desse gênero. 

Tudo começou em 1955 com A Maldição da Aranha. Preocupada com o pai que não voltou para casa, uma moça pede ao namorado que a ajude a procurá-lo na mata. O casal chega a uma caverna e depara com uma aranha gigante sedenta por novas vítimas. De volta à cidade, os jovens precisam convencer o xerife de que a aranha existe. 
Um dos melhores e mais importantes títulos nessa linha é O Fantasma do Paraíso, dirigido pelo genial Brian de Palma. É uma comédia musical de 1974, extremamente criativa e com uma trilha sonora sensacional de Paul Williams.

Black Roses de 1988 é também um terror musical. Uma banda de rock chamada Black Roses utiliza suas músicas para hipnotizar as crianças da plateia e transformá-las em criaturas demoníacas.
 
Heavy Metal – Universo em Fantasia é um filme de animação produzido pelos artistas que faziam os quadrinhos da revista Francesa Metal Hurlant que, logo depois passou a ser a americana Heavy Metal.  
 
A Rainha dos Condenados de 2002 é mais uma adaptação da novela de Anne Rice. Mostra Lestat despertando após dois séculos. Revitalizado, o vampiro se torna um astro da música, mas a sonoridade de sua banda, “The Vampire” desperta Akasha, a rainha de todos os vampiros. 
O brasileiro “As Sete Vampiras” feito em 1986 pelo carioca Ivan Cardoso é um filme da linha “terrir”, ou seja, a mistura entre a comédia e o horror. O elenco conta com Nicole Puzzi, Andréa Beltrão, John Herbert e Nuno Leal Maia. 

Após ter sido atacada e transformada numa vampira por uma planta carnívora, ela administra uma casa de shows. Com um espetáculo misturando terror e erotismo, além de aumentar o movimento da boate, mortes misteriosas começam a acontecer. 

Mais popular nos quadrinhos que nos cinemas, Vampirella influenciou o gênero como um todo. Depois de uma estadia em Marte, a anti-heroína voltou à Terra para se vingar de Vlad, que matara seu pai e destruíra o planeta Drakulon. Para isso, faz aliança improvável com Adam Van Helsing, dedicado à caça de vampiros.
(Som)
Para a próxima edição de uma retrospectiva nesse linha, recomenda-se a inclusão de  O Jovem Frankenstein, que Mel Brooks fez em 1974 e Um Lobisomen americano em Londres, de John Landis em 1981.   

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Os filmes lançados no circuito comercial de SP na semana iniciada em 05 10 2017



Ana de Armas e Ryan Gosling em Blade Runner 2049
Nesta semana, por obra pura e simples dos programadores das salas de cinema, o mercado de filmes demonstra possuir certa racionalidade interna e comprova a continuidade que parecem unir todos os espetáculos áudio visuais da história da cultura numa sequencia única de empreendimentos. São tantas e tão constantes as refilmagens, paródias, adaptações, novas versões e ressignificações – conduzindo à suspeita de que o principal assunto, aquele que mais interessa ao cinema, seja o próprio cinema.
Estreia Blade Runner 2049. É e também não é uma refilmagem, porque assume a forma de uma continuação do cultuado filme de mesmo nome feito por Ridley Scott em 1982. Tanto assim que o personagem de Harrison Ford continua o mesmo, ou seja, o caçador de androides Rick Deckard, que se encontra então desaparecido há 30 anos. 

Temos um novo herói, isto é, um novo blade runer vivido por Ryan Gosling, o galã de La La Land, (que só por isso ganhou a reprovação de muitos) E, necessariamente novas e belas replicantes, além de um novo vilão, na pele de Jared Leto. E o diretor? O nome dele é Denis Villeneuve, um canadense que vale como garantia de qualidade, porque foi ele dirigiu A Chegada, o filme de ficção cientifica mais interessante do momento. 

Na Praia à Noite Sozinha é novo título do coreano do sul Hong Sang-soo, que já conquistou exatos 40 prêmios internacionais para seus 25 filmes que já rodaram o mundo e estão fazendo moda. São sempre temáticas aparentemente interligadas e elencos que se repetem. Por exemplo, este último filme parece um segundo capítulo de Certo Agora, Errado antes com a participação da magnética Kim Min-Hee. 

Ela faz o papel de Younghee uma atriz de cinema famosa, que se tornou mal falada por ter namorado um homem casado. Ela volta para a sua cidade natal na Corea, após viver um tempo na Alemanha. O diretor Hong Sang-soo é um caso a parte na filmografia oriental e se caracteriza pela ausência de pressa em suas narrativas, experimentando uma movimentação interiorizada e contemplativa. A sua câmara por vezes se perde encantada pela beleza da cidade de Gangneung e de sua musa Kim Min-Hee.
É lançado o docudrama Churchill, com o escocês Brian Cox, no papel do chanceler Britânico que levou os ingleses à vitória na 2ª Guerra. E com a elegante Miranda Richardson, no papel da esposa Clementine. O diretor é o australiano Jonathan Teplitzky, de carreira apenas razoável. 
(som)
E Brian Cox é um ator de recursos apenas medianos, mas as compensa suas limitações com uma atuação firme e vigorosa. Não são se compara, porém, à excepcional qualidade trabalho do americano John Lithgow no mesmo papel, dentro da magistral série televisiva The Crown, criada em 2016 por Peter Morgan – ele que em 2006 dirigiu filmes sobre poderosos como O Último Rei da Escócia e A Rainha
Por falar nisso, também chega às telas o filme de um personagem que foi durante várias décadas o rei dos desenhos animados. Falamos de Woody Woodpecker, o famoso Pica-Pau. Só que o filme mistura atores ao vivo com figuras de animação. A história é sobre um casal que pretende construir sua casa de campo justamente no lugar conde mora o nosso herói – que, todos sabemos, tem um temperamento especialmente explosivo.

A Morte Te Dá Parabéns é um filme sobrenatural e de horror, mas com uma pegada cômica. A protagonista é assassinada no dia de seu aniversário, mas fica presa em um circulo vicioso entre vida e morte. Ela precisa resolver o mistério de seu próprio assassinato, e ressuscitar várias vezes, até descobrir quem foi o responsável pelo crime. A ideia já foi usada em outros filmes. Tomara que desta vez o diretor Christopher Landon use o humor...
Chocante é uma comédia em que Tony Ramos faz o papel de um empresário que, há 20 anos, criou e divulgou uma banda juvenil que fez sucesso na época e logo foi esquecida. Agora, diversas décadas depois, os antigos integrantes do grupo tentam novamente ser lançados na vida artística.

O diretor é Johnny Araújo, que já fez coisas nesse gênero, mas as possibilidades de acerto estão no elenco principal, com gente de TV que sabe o que faz, quando faz comédia: os astros são Marcus Majella, Lúcio Mauro Filho, Bruno Mazzeo e Bruno Garcia.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Carlos (ou Cacá) Diegues terá mostra em sua homenagem durante o setembro paulistano



O diretor Cacá Diegues
Entre os dias 07 e 20 de setembro os paulistas poderão assistir a uma retrospectiva completa com todos os filmes de Cacá Diégues, inclusive os curtas, os documentários e mais um programa para televisão francesa, inédito no Brasil. Tudo vai acontecer na sala Aleijadinho do Cine Caixa Belas Artes. O cineasta alagoano está completando 57 anos de uma carreira que começou em 1960, quando ele tinha apenas 20 anos de idade. 
A mostra começa num debate com a participação do próprio Carlos Diegues, além dos cineastas Arnaldo Jabor e João Daniel Tikhomiroff e também dos curadores da mostra Silvia Orós e Breno Lira. A discussão vai acontecer no dia 07 de setembro, às 18h30, com entrada franca, o objetivo é discutir e conhecer um pouco mais sobre o cineasta e sua obra. As senhas deverão ser retiradas uma hora antes do início do evento que está sujeito à lotação da sala. Aliás, ao longo da Mostra o preço do ingresso ficará apenas em 10 reais. 

Com essa revisão completa daquela obra, poderemos refletir sobre os motivos que explicam a sua longevidade e, quem sabe, entender como ele soube enfrentar diversas fases do cinema brasileiro sempre com uma produção de qualidade. No dia 09 de setembro, às 16h, haverá uma master class “O Brasil através de Cacá Diegues”, sobre o total da obra do cineasta, ministrado por Silvia Oroz. Além disso, ela vai ministrar um curso investigando a relação da obra de Cacá Diegues com a história do cinema brasileiro. 
Ou seja, cada filme será contextualizado com aquele momento vivido pelo cinema no Brasil. Segundo a curadora Silvia Oroz, “A longa permanência de Diegues, na produção cinematográfica é um fenômeno excepcional, pois são raros neste país, os diretores com uma filmografia tão vasta e tão duradoura”.

Carlos Diegues foi um dos fundadores do Cinema Novo, ao lado de gente como Glauber Rocha, Paulo Cesar Saraceni e Gustavo Dahl. Diegues dirigiu ao todo 29 filmes, entre curtas e longas. Em 2017 ele deverá lançar nos cinemas mais um trabalho: “O Grande Circo Místico”. São 55 anos dedicados à sétima arte, numa carreira que já acumula mais de 20 Prêmios internacionais, em Festivais como Cannes, Brasília, Cartagena, Miami, Havana, Mar dele Plata, Tóquio e Montreal.
Pode-se dizer que o cinema de Cacá Diegues revela por inteiro a história da formação do país, com destaque para a participação do negro, como alicerce da construção da nossa sociedade. Mas ao longo da sua trajetória, desfilam personagens de todos os tipos grandezas e idades. Inclusive o nosso país e o próprio criador, no filme de 2003, "Deus é Brasileiro". 

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

A animação brasileira ganha novos apoiadores e se torna uma área crescente no nosso cinema


Cartaz de "O Menino e o Mundo", recente aclamada animação brasileira

O desenho animado é uma modalidade cinematográfica atualmente em expansão no Brasil. Algumas produções brasileiras estão disputando festivais ao redor do mundo e já temos faculdades de Comunicação abrindo graduações e pós-graduações nessa área – o que há poucos anos era algo impensável entre nós – mas poderá estar à disposição dos cineastas do futuro 
A produtora paulista Moonshot, do experiente Roberto D´Avila, fechou contrato de coprodução com a jovem Tortuga Studios, empresa brasileira especializada em animação e live action, para o desenvolvimento de uma série de ação chamada "Alex Green". Ela será filmada em stop motion e cut-out, ou seja, a partir de material recortado . Essa terminologia típica de laboratório de informática indica que o desenho animado industrial brasileiro já está nascendo em berço tecnológico.  
Com o nome emprestado de um físico famoso, "Alex Green" narra as aventura de um garoto de 13 anos que pretende se tornar um mago. Criada pela Moonshot, a série terá 52 episódios de conteúdos voltados para magia, aventuras épicas medievais e ficção científica com sotaque brasileiro.

Este projeto inaugurou o ensino verdadeiramente profissional para os alunos que estão se graduando em animação pela FAAP. A ideia é associar ensino e treinamento em técnicas de animação, de acordo com de Roberto d´Avila ao lado de Eliseu de Sousa Lopes Filho, que concebeu o curso de Animação da FAAP.

E a fila segue com a Migdal Filmes anunciando outra série brasileira de animação. É a "Condomínio", inspirada nas tirinhas de Laerte e exibida pelo Canal Brasil. Serão dez episódios de 11 minutos cada, com cinco ou seis esquetes ligados por um tema. O projeto vai retratar o dia a dia dos impagáveis moradores de um condomínio de classe média em São Paulo. A graça vem deles serem obrigados a conviver apesar das suas desavenças.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Veja alguns filmes selecionados por programas de incentivo ao audiovisual



Luiz Bolognesi, que fará um workshop do Edital para Filmes Transformadores


Houve um tempo em que o sistema de produção de filmes no Brasil envolvia volumes menores e com menos gente trabalhando. Os produtores usavam as suas economias ou procuravam financiamento em bancos. Em seguida, contratavam técnicos e artistas, compravam filme virgem, filmavam, montavam, divulgavam e finalmente aguardavam o público se manifestar pelas bilheterias. Agora que existe o mecenato e os incentivos fiscais para o audiovisual, se espalha uma nervosa busca pelos editais que selecionam os agraciados para receber o patrocínio.Atualmente fala-se muito de um Edital para Filmes Transformadores, que tem o apoio da produtora e gravadora Universal. Houve uma etapa inicial que escolheu 5 finalistas. Eles participaram de um workshop com o cineasta Luiz Bolognesi que, até o fim desta semana, irá trabalhar com as equipes para o aprofundamento dos roteiros. A gravadora Universal vai oferecer como insumo o licenciamento gratuito de 80 obras musicais para serem utilizadas, nas trilhas sonoras. Essa é uma face sonora do marketing

Dos 172 inscritos participam da etapa final apenas cinco projetos, que também receberão da Coca Cola 1 milhão de reais cada. São eles:

“A Revolução Será Televisionada", de Paschoal Samora,
"Azul Calcinha", de Rafael Primot,
"Do Jeito que São", de Bianca Lenti,
"Eleições", de Alice Riff, e
"Para Além dos Tribunais", de Flávio Botelho.

Todos esses produtores são do Rio e de SP. E também prossegue o cobiçado Programa Brasil de Todas as Telas, comandado pela Ancine e pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O dinheiro para 6 projetos vem desse banco e de recursos do Fundo Setorial do Audiovisual, no total de R$ 5,13 milhões. Os felizardos são quatro séries para a televisão, além de um telefilme e um longa-metragem de ficção. São eles:

“Opção América" – de Adriana Dutra, Série documental do Canal Brasil, sobre imigrantes latinos.
"O Oráculo das Borboletas Amarelas" – de Tatiana Nequete, Série de ficção da Empresa Brasil de Comunicação, sobre uma menina que reage ao câncer de seu avo;
"A Cara do Futuro” - Série documental de Diego Maceiras sobre tecnologias de ponta e pesquisas inovadoras criadas no Brasil.
"Destino Incomum" – Civilizações perdidas" – Série documental de Henrique Castro Mendel, sobra locais em que, no passado, floresceram grandes civilizações.
"Um Filme de Verão" de Jo Serfaty – Telefilme documentário sobre quatro jovens moradores de favela, que poucas vezes saíram de seu bairro para circular pela cidade.
"4 x 100", de Tomás Portella – Longa-metragem de ficção, sobre os dramas e conflitos de moças que foram atletas olímpicas;

Vamos tomar nota de todos esses nomes todos, só pra ver se, um dia, 10%, ou pelo menos um esses títulos vier a ser lançado... Isso seria uma esperança de recuperação para o dinheiro público aí investido e de divulgação para todos aqueles que trabalharam nesses 11 filmes..
.